Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

BAGOS DE MILHO

COMIDA PARA AVES e OUTROS MAMÍFEROS EM RAÇÕES DE IMAGINAÇÃO COM SORRISOS À MISTURA

BAGOS DE MILHO

COMIDA PARA AVES e OUTROS MAMÍFEROS EM RAÇÕES DE IMAGINAÇÃO COM SORRISOS À MISTURA

O PICK NICK, (2ª parte)

 (1ª continuaçõn)

-Ah!, que raio de grnhfz rtzhgd nghbdz…
-Qu’équetás p’ráí a dizer, Alfredo? Gritou a D.Dores enquanto despinhava as calças, junto à mesa-cobertor.
-Ond’éque tá o Toninho? Se apanho apanho aquele sacana parto-lhe as trombas àquele filha da …
-Alfredo!!! Vê lá o que vais dizer; olha que eu não sou nenhuma dessas que tu conheces lá nem sei donde. Sabes bem de quem ele é filho…
-Deixa-te de merdas. Esse gajo atirou-me uma pedra à cabeça e até sangue estou a deitar.
-Coitada da criança, táp’rálí a brincar com outros miúdos na beira da lagoa; bem quer ele saber do que tu tás a fazer. Ora deixa-me lá ver esse grande desastre…
-Pois, se fosse na tua carola não lhe chamavas assim…, porra qu’esta merda doi que se farta.
Levantando-se a custo, a barriga pesada e a digestão interrompida, aproximou-se da D.Dores e curvando-se “à frente” mostrou-lhe a careca donde o sangue pingava de três ou quatro pequenos golpes, tantos quantos os bicos da pinha que lhe tinha acertado “na pinha”.
A D.dores, ainda um pouco inclinada e segurando as calças espinhadas, mirou-lhe a careca e desabafa:
-É só isso!? Até parecia que estava a morrer, homem! Vai à lagoa lavar a cabeça que isso não é nada. Levaste com uma pinha na mona, foi o que foi. Olha, espera aí que tens aqui uns pinhões pegados, que se podem aproveitar…
-Vai à merda mais os pinhões, respondeu o Alfredo encaminhando-se para a margam da lagoa levando alternadamente a mão à cabeça e mirando os dedos sujos de sangue.
Não estava bem certo do melhor local para lavar a careca e também não se deu ao trabalho de escolher; foi quase em linha recta e chegado à margem inclinou-se para molhar o lenço de riscas brancas e vermelhas; não chegou a completar o movimento porque os ténis (que não eram de marca), deslizaram rápida e subitamente arrastando o Alfredo em toda a sua totalidade para dentro da água: splashshshsh!
-Grblll, brlll ò Dorbllles, chibllça, rais partam esta merda toda, gritou o Alfredo sentado na lagoa com água até por cima da enorme barriga, bem na base do bolso da camisa de onde assomava, completamente molhado, o maço de cigarros; do isqueiro usar-deitar-fora nem rasto; tinha-se afogado! Uma pena, pois não só era novo como ostentava o emblema do glorioso…
A D.Dores sentada no chão e agarrada à própria barriga, não conseguia mecher-se nem deixar de rir com sonoras gargalhadas à mistura com alguns peidos, vendo o Alfredo meio submerso, meio coberto de água e lama, ao mesmo tempo que pensava: ‘inda bem que já tinha mijado, senão…, e ria-se, e ria-se…, e peidava-se, e ria-se…, ai que ‘inda me dá uma coisa…
Toda a gente acorreu à margem de lagoa, rindo ruidosamente, em especial a criançada que conseguia, inesperadamente, um novo e bom motivo de diversão e que, inconscientemente, já sabiam ser para durar o resto da tarde e mesmo da noite, em casa, onde não faltariam referências ao acontecimento nem relatos do mesmo à vizinhança e amigos que não o presenciaram.
Alguns dos adultos já idealizavam o melhor relato que poderiam fazer aos colegas quando a segunda-feira voltassem ao trabalho.
-Eh pá, nem sabes o que aconteceu ontem; fui ...

(continua)

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Kok 11.01.2016

    A continuaçõn está quase aqui. O Alfredo está a recompor-se
    Beijokas
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Mais sobre mim

    foto do autor

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Mais visitados

    • O FECHO DO SUTIÃ

      28 Janeiro, 2015

      Já a tinha visto por ali, umas vezes rodeada de gajos e gajas ruidosos, betos e "betas". (...)

    • COMO COMEÇAR UM CONTO?

      16 Setembro, 2011

      Não é sempre mas acontece-me muitas vezes ter ideias a não conseguir “deitá-las” cá (...)

    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D