Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

BAGOS DE MILHO

COMIDA PARA AVES e OUTROS MAMÍFEROS EM RAÇÕES DE IMAGINAÇÃO COM SORRISOS À MISTURA

BAGOS DE MILHO

COMIDA PARA AVES e OUTROS MAMÍFEROS EM RAÇÕES DE IMAGINAÇÃO COM SORRISOS À MISTURA

AMAR à DISTÂNCIA

Estamos frente a frente sem nada dizermos durante horas. Tenho consciência de ter adormecido por momentos mas sempre consciente da tua presença. Reconheço a firmeza na tua postura que não se compadece com a minha fraqueza, nem com as minhas indecisões. Porque tu és firme ao contrário de mim que me deixo enredar no teu inebriante beijo e que mal toca os meus lábios deixando-me saborear-te, logo me sinto como que viajando numa outra dimensão. Sabes bem que a tua cor não é para mim (nunca o foi, devo dizer), impedimento e por isso esse não é argumento; não é, ponto final! Pouco me importam os teus antecedentes, de quais são as tuas origens nem de como chegaste até ao ponto em que estás porque não sou de me prender em assuntos de realezas nem dessas coisas a que muitos outros dão relevância. O que me importa de facto é ter a certeza de que gosto de ti (e tenho) e que tu, partilhando comigo o imenso prazer de estarmos juntos, me deixes amar-te sempre. Quero acreditar que o sonhas e o desejas como eu o desejo e quero. Adoro-te. Tu sabes que te adoro!

É quando chego a casa ao início de cada noite e me deixo cair no sofá desbotado onde a espuma espreita por entre os intervalos do puído tecido esverdeado, que me recordo daqueles muitos momentos que foram só nossos e que por mais que fossem, sempre foram poucos.

Quitar las gafas

Sentado, segurei os óculos pela dobradiça junto da peça frontal e, num gesto, num movimento contrário da cabeça, retirei-os para os colocar sobre a mesinha baixa onde ainda dorme o copo que na véspera me serviu e fez companhia nuns goles de irish whiskye (diferente do scotch whisky dizem eles).

Recordo-te com prazer revivendo os momentos que passámos a sós, dos quentes beijos que não tinham fim e que não desejávamos que terminassem, das mãos, as tuas e as minhas que nos percorriam e afagavam com ardor e paixão; de tudo, mas de tudo mesmo, me lembro de cada vez que chego a casa, esta casa cheia de recordações e de sentimentos, vazia é certo e todavia ocupada por muitos bons momentos de incontida felicidade.

Talvez devesse estar triste. Porém como? Não posso viver triste quando tenho na memória os carinhos, os afectos e as alegrias daquelas recordações. Não sei quando nos voltaremos a ver mas sempre que quisermos voltaremos estar juntos.

12 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais visitados

  • O FECHO DO SUTIÃ

    28 Janeiro, 2015

    Já a tinha visto por ali, umas vezes rodeada de gajos e gajas ruidosos, betos e "betas". (...)

  • COMO COMEÇAR UM CONTO?

    16 Setembro, 2011

    Não é sempre mas acontece-me muitas vezes ter ideias a não conseguir “deitá-las” cá (...)

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D