Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

BAGOS DE MILHO

COMIDA PARA AVES e OUTROS MAMÍFEROS EM RAÇÕES DE IMAGINAÇÃO COM SORRISOS À MISTURA

BAGOS DE MILHO

COMIDA PARA AVES e OUTROS MAMÍFEROS EM RAÇÕES DE IMAGINAÇÃO COM SORRISOS À MISTURA

A ÚLTIMA BEBIDA

Hospede inúmeras fotos no slide.com GRÁTIS!

Jantei bastante cedo e fugindo de noticiários requentados e das novelas repetitivas fui para a rua num passeio sem destino convencido que no espaço de uma hora, uma hora e meia no máximo, estaria de regresso a casa.

A noite estava morna.

O vento, quente, soprava suavemente por entre a folhagem das árvores.

Não entrei no café da esquina propositadamente. Para me obrigar a andar caminhei em direcção à cervejaria que fica à distância de quase meia hora, junto à praia. As ruas  cheias de gente passeando vagarosamente, desfrutando das últimas noites de verão. Miúdos corriam rua acima, rua abaixo e no escuro da praia amontoavam-se numa algazarra de gritos e gargalhadas por entre corridas e despreocupadas quedas na areia solta.

Sentei-me ao balcão e pedi um café e um whisky velho, em balão. Claro que sem gelo! Olhei em redor e eram só “cámones”, rosados que nem lagostas cozidas. Ocupavam as diversas mesas na esplanada acumulando junto à parede as muitas garrafas vazias, umas poucas de vinho e muitas outras de cerveja. Falando muito alto e soltando sonoras gargalhadas, dir-se-ia que estavam em casa.

Chegou o Xico das Irós! Sentou-se no banco ao meu lado, acendeu um cigarro e, à laia de “boa noite” disse:

-O que é que pagas?

Aquilo foi mais uma afirmação disfarçada de pergunta, do que uma pergunta…

-Pede o que quiseres, pá!

-Oh Manel, dá aí uma cerveja. Não é dessas pá, é das de litro!

-Está com muita sede, Xico.

-Não é para beber, é para levar. Esta noite vou à pesca que a maré está a dar robalos. E também safias e doiradas.

-Todo o dia esteve um vento do caraças, e o mar esteve picado…

-E depois? E não vou para o mar! Vou lá para o cimo das rochas…

-Vais para a gruta, queres tu dizer.

-Pois, desço pelo socalco que são só uns sete metros e fico ali abrigado na gruta. Levo o petromax, levo aqui uma “bucha” e levo uma garrafa de vinho tinto.

-Então e a cerveja?

-É a sobremesa! Disse rindo-se. Vais ver o peixe que vou trazer; menos duns 25 kilos não há-de ser.

-Vais sozinho?

-Pois vou. Porquê?, também queres ir?

-Eu?, estás parvo ou quê? Viste-me alguma vez ir à pesca?

-Não me lembra. Mas se nunca foste ias hoje. Há sempre uma primeira vez.

-Pois há! Mas a minha não é hoje. E menos com o tempo que está, de vento e de frio.

-Isto não é nada de mais. Já estou habituado. Há mais de 30 anos que faço isto. Acho que o mar até estranha quando não me vê lá no cimo das rochas, ou na gruta a pescar.

-Ok Xico, tu é que sabes…

-Pois sei, pois sei. Bem, vou-me embora que não tenho a tua vida. Vai lá para o quentinho dos teus lençóis antes que adoeças… gritou-me com uma gargalhada desde a porta da cervejaria enquanto agarrava nos apetrechos de pesca e na mochila, onde já guardara a cerveja de litro.

Acabando de beber o whisky e pagar a despesa, voltei para casa apressando o paço numa tentativa de fugir daquele vento cada vez mais agreste que ameaçava soprar toda a noite. O som das ondas do mar propagava-se pelas ruas da aldeia, “sentindo-se” o bater forte nas arribas.

Pesca eu? Nem pensar…!

 

Ainda não eram 7 horas da manhã quando a vizinha nos acordou, com enorme alarido.

Algo assustado, levantei-me, abri a janela e…

-Oh vizinho, houve uma grande desgraça… parece que o Xico das Irós caiu ao mar.

Merda!

Vesti-me rapidamente, calcei os ténis e corri para as arribas. Quase todos os pescadores e as mulheres já lá estavam.

-Oh mestre Tóino, já se sabe alguma coisa? Como foi? Quando?

-Pouca coisa. Aqui o Águsto é que estava com ele. Disse que já se estavam a vir embora e a cana do Xico escorregou pela rocha e ficou presa na lage do coito.

-Eu bem lhe disse para ele largar da cana, mas teimoso como é, não quis saber e foi buscá-la. Foi quando a magana da onda veio e apanhou-lhe as pernas e lá foi ele. Nunca mais se assomou à tona! Tá aqui o balde com o peixe dele; são 30 kilos, p’ra mais e não p’ra menos. O que é que se faz a isto?

-Não se há-de estragar. Dá-se à Josefa. Onde é que ela está? Já alguém a avisou?

-Foi lá a minha mulher. E p’ra lá está porque ainda não voltou.

-Então é isso, levam-se os peixes e depois ela que resolva. Vai dizer que não os quer mas isso não interessa. Ou vendemos ali à cervejaria e depois entregamos-lhe o valor.

-O mestre Tóino é que é homem para tratar desse assunto. Não é?

-Tá bem, cá ver o balde que vou já lá. E depois a minha mulher lá levará o dinheiro.

Não pude, mentalmente, deixar de sorrir ao perceber a separação de tarefas. Enquanto que os negócios são para os homens as funções sociais são para as mulheres.

São assim os pescadores! É uma das profissões que mais riscos corre, e talvez por isso, é também composta pelos homens mais solidários que conheço, para com os amigos e companheiros de faina mas sem jeito para “esses assuntos” que são coisas das mulheres.

A equipa de busca e salvamento já estava em acção. Os pescadores sabiam que o mais certo era o corpo do Xico só aparecer passados alguns dias.

Se aparecer…, diziam!

Ainda continuei por ali um bom bocado, pensando no Xico; Entrámos para a escola no mesmo dia e nesse mesmo dia vivemos o bom e o mau. Nunca soubemos a razão dos socos que nos demos nem porque não ficámos zangados. No dia seguinte o Xico ofereceu-me um canivete porque era uma coisa que todos os pescadores tinham. E ele achou-me com pinta de pescador. Eu dei-lhe uma esferográfica com o emblema de um clube de futebol, porque era o clube preferido dele. Ter utilidade para escrever era o menos importante. E muitas outras lembranças e acontecimentos que vivemos juntos, e também com outros miúdos, me vieram à memória durante aquelas duas ou três horas que andei pelas falésias.

Não mais me vou esquecer que aquela cerveja foi a última bebida que eu lhe paguei. De alguma maneira foi a última que bebemos juntos!

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Kok 27.09.2010

    Obrigado pela visita. Volta + xx
    A vida tem destas coisas (feias e más). Não há como evitá-las mas temos sempre que ultrapassá-las, diria que com lágrimas nos olhos e um sorriso nos lábios!
    Creio que só assim teremos força para continuarmos vivendo!

    Beijokassss.
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Mais sobre mim

    foto do autor

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Mais visitados

    • O FECHO DO SUTIÃ

      28 Janeiro, 2015

      Já a tinha visto por ali, umas vezes rodeada de gajos e gajas ruidosos, betos e "betas". (...)

    • COMO COMEÇAR UM CONTO?

      16 Setembro, 2011

      Não é sempre mas acontece-me muitas vezes ter ideias a não conseguir “deitá-las” cá (...)

    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D