Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BAGOS DE MILHO

COMIDA PARA AVES e OUTROS MAMÍFEROS EM RAÇÕES DE IMAGINAÇÃO COM SORRISOS À MISTURA

BAGOS DE MILHO

COMIDA PARA AVES e OUTROS MAMÍFEROS EM RAÇÕES DE IMAGINAÇÃO COM SORRISOS À MISTURA

TRÊS REBUÇADOS

Quando acordei naquela manhã de Natal, já acordei a pensar nos presentes que iria receber!

Não acreditava no Pai Natal!

Não porque fosse mais esperto e sabido, mas porque em anos anteriores tinha visto que os brinquedos que entravam em casa pelas mãos da minha mãe, na manhã seguinte estavam à minha espera na chaminé!

Dizia: acordei a pensar nas prendas que iria receber e, ainda descalço, corri para fora do quarto, saltei os dois degraus de acesso à cozinha e “atirei-me” à chaminé de braços estendidos e olhos esbugalhados, tentando ver tudo de um só vislumbre.

Esforço exagerado…!

Na chaminé havia somente um sapato: o meu!

E no meu sapato estavam três (3) rebuçados que a minha velhinha tia Isabel (que foi mais avó do que tia), tinha comprado na véspera despendendo um tostão o que naquele tempo representava algum “esbanjamento”!

Nada de brinquedos, nem chocolates, nem de outras coisas bonitas e brilhantes que as crianças sempre sonham receber.

Ainda me lembro da minha desilusão!

Ainda me lembro de não saber se deveria ou não comer aqueles rebuçados, cada um deles embrulhado num papel esverdeado e transparente;

Ainda me lembro de pensar que eu não merecia um presente tão mixuruco.

Mas é precisamente ESTE PRESENTE o primeiro que me vem à memória quando penso em presentes de Natal...

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais visitados

  • FIQUEI SEM LUZ

    10 Março, 2021

    Caminho para casa num lusco-fusco quase noite, sob um céu azulado quase cinzento, por ruas (...)

  • OLHANDO O MAR

    12 Dezembro, 2017

    Olhando o teu vai-vem numa teimosia constante para chegares à praia em sussessivas ondas de (...)

  • NUM DIA DE INVERNO...

    28 Janeiro, 2017

    Cheguei a casa quando já dormias. Despi-me lentamente e deitei-me tentando não te (...)

  • COMO COMEÇAR UM CONTO?

    16 Setembro, 2011

    Não é sempre mas acontece-me muitas vezes ter ideias a não conseguir “deitá-las” cá (...)

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D