Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O ENGATE

por Kok, em 10.12.12

 

O final do dia chegou calmo e sem pressas, afinal igual a tantos outros já passados.

Do sol somente as poucas nuvens ainda reflectiam os tons alaranjados dos seus raios, restos de um dia que fora muito quente obrigando cada um a refugiar-se sob o toldo de uma esplanada ao mesmo tempo que ingeria algumas cervejas para afogar uma sede quase infinita. Aparentemente indiferentes ao calor, turistas acabados de chegar passeavam-se pelas tuas.

Ao redor do lago onde nadavam patos e cisnes (também eles patos), descansavam uns e outras, deitados na relva, adormecidos alguns mas abraçados muitos outros, estes  trocando afagos e carícias escondidas das vistas mas não das mãos que, tacteando  percorriam íntimos recantos conhecidos e reconhecidos de outras tardes ou de outras noites!

Foi num dia assim que a vi pela primeira vez, quando caminhava pela margem do rio depois de ter sido expulso violentamente do restaurante onde me recusara a pagar o almoço, por não ter dinheiro. Claro que sabia antecipadamente estar sujeito a que tal me acontecesse, mas o que fazer quando chega a hora da fome chegar e não ter um cêntimo no bolso? É verdade que podia ter pedido unicamente uma sopinha, uma sandes e um cafezito; mas quando pelo mesmo preço podia comer um cozido à portuguesa regado com um óptimo vinho tinto maduro e terminar com um café e um whisky velho, depois de um excelente leite-creme como sobremesa… a opção não deixa dúvidas.

É verdade que me arremessaram uma cadeira que foi acertar na vitrina dos pudins e das tardes, e que ainda me tentaram agarrar ao mesmo tempo que gritavam pela polícia.

Mas qual quê! Larguei-me rua abaixo em forte correria, virei à esquerda para a travessa da linha do comboio, saltei a vedação e passei-me para o outro lado das linhas.

Reduzi a marcha forçada para uma toada calma e descontraída (porque não é de todo aconselhável fazer esforços durante a digestão), sem deixar de estar alerta não fosse algum “gosma” mais dedicado me estar perseguindo. Nada! Tudo na paz dos anjos…

Afinal a coisa não correu mal…

Foi então que a vi pela primeira vez: caminhava à minha frente balançando os cabelos soltos ao vento, bamboleando as ancas num ondular suave e sensual, chamativo e sem dívida bastante apelativo, dentro de uns calções curtos; uma t-shirt azul envolvia-lhe o tronco.

Caminhei até ficar ao seu lado. A alça da sacola de pele que levava ao ombro passava  entre as duas mamas fazendo-as realçar sob a t-shirt escura, quer em volume, quer em tamanho; não que precisasse pois “falavam” por si mesmas, balançando ligeiramente libertas da prisão de um inexistente soutien, deixando perceber os mamilos que a t-shirt tapava mas não escondia.

A coisa estava a ficar melhor…

Olhou-me, entre curiosa e desconfiada!

-Olá!, disse-lhe sem grande convicção.

-Olá, respondeu-me num misto de surpresa e de desconfiança.

Caminhámos a par durante dois ou três metros, cada um de nós imaginando a melhor maneira de continuar a conversa, ela na expectativa de me “despachar” e eu na tentativa de a cativar.

Avancei: -Chamo-me Paulo Gil; e tu?

-Isabel…

Fazes o quê?, de onde és?, onde moras? Tens uns ténis muito fixes!, a conversa de que normalmente é o caminho para outras conversas, como por exemplo:

-Não estás com sede? Eu até te pagava uma cervejinha mas estou teso…

Fez-se desentendida e continuámos caminhando, falando, dizendo e desdizendo, acertando menos do que errando, quando subitamente ela me diz:

-Não te lembras de mim, pois não?

-Bem… como é que eu me podia ter esquecido duma gaja destas?, a…, pois não me lembro…

-Tu chamas-te José da Silva Marques! Mais conhecido por Zézé dos Engates.

-Mau…

-Pois é, isso de quereres ser Paulo Gil é para engate, não é? Diz lá…

-Mas conheces-me d’ádonde?

-Da esquadra, desde aquela madrugada em que a miúda italiana apresentou queixa por tentativa de violação. Lembras-te?

-Violação? Atão távamos na discoteca todos agarradinhos e ela disse-me:

-Voglo una focaccia

-E tu…

-…e eu avancei…

-…sem saberes que ela se referia a uma fatia de bolo, ou pão ou lá o que é!

-Mas como é que sabes isso tudo? Tu és polícia?

-Sou; fui eu que te interroguei e tratei da ocorrência.

-Eras a agente má… quero dizer boa, quero dizer a agente que… as minhas costas…

-Exactamente. E nunca me esqueço de uma cara, sobretudo de gajos como tu! Ainda te dóiem as costas? (Ahahahah)

A coisa afinal estava a ficar pior…

-Mas eu…

-Vai-te lá embora antes que eu me arrependa. Tenho a certeza que hoje já fizeste alguma coisa que justifique a tua detenção.

-Oh Srª , eu…

-Andor, andor…

Pirei-me já a pensar ter que engatar um esquema para o jantar!

Bolas, com tantas gajas aqui à volta tinha que tropeçar com a bófia!?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:58


10 comentários

De Rui da Bica a 10.12.2012 às 15:52

Um abraço de Bom-regresso ! rsrsrs

Chama-se a isto, "ir meter-se na boca do lobo" ! :))) ... por acaso o lobo não estava com fome ! rsrs
.

De Kok a 12.12.2012 às 21:45

Pois!
Mas como diz um amigo meu: um gajo tenta, tenta e entre tantas tentativas uma resulta!

1 abraço!

De DyDa/Flordeliz a 13.12.2012 às 01:08

"das tardes"

até fiquei com pena, olha se fossem tartes ahahahah
És taradão.
Que imaginação.

Gostei das voltas, que dás à situaçon.

De Kok a 14.12.2012 às 16:34

Dar a volta à situaçõn? Ora ora, o gajo já foi preso uma vez, não haveria de o ser novamente.
Mas voltarei ao assunto, que a coisa não acaba no jantar!
(eheheheheh)

Beijos e sorrisos soltos!

§-estive quase quase quase a emendar "as tardes", mas optei por deixar ficar.
Afinal sempre é uma sobremesa algo diferente...

Beijos e sorrisos doces!

De maria a 14.02.2013 às 14:30

ehehehhehe tava tudo a correr tão bem...

Bem lá no fundo ela era uma polícia "boa"...nem prendeu o Zézé

Gostei da história, só não percebi estas duas frases:

"...turistas acabados de chegar passeavam-se pelas tuas."

"...chamativo e sem dívida bastante apelativo"



Beijinho :)

De Kok a 14.02.2013 às 16:31

O que é que não percebeste?
-Os turistas podiam passear pelas ruas ou... estarem sentados numa esplanada enfrascando-se em cervejas!
-Consideras que chamativo e apelativo é uma redundância? Eu também acho! Por isso podes calcular como era aquele ondular...

Beijinhos, &

§-estou tentando continuar o resto do dia deste gajo. mas acho que tenho que me esforçar mais pois já lá vão mais de dois meses e ainda nem chegou a hora de jantar!

De maria a 15.02.2013 às 11:32

O que não percebi foi que tu escreveste que os turistas passeavam pelas tuas...ké tuas?

E depois era chamativo e sem dúvida apelativo...nera divídas óh páh.

ehehheeh

Continua que agora estou curiosa para ver o que é que aconteceu no jantar

Beijinho :)

De Kok a 15.02.2013 às 15:48

tuas... ruas...
a culpa é do sacana do reclado. As reclas não patam sossegadas e ópois é isro...
inté deu-se o caso de trocar tartes por tardes; na viste esta?
estou a ficar com um trilema: terei que mudar de computador, ou de teclado ou de cabeça? Ou de tudo?
enquanto isso não acontece...

Beijinhos, sorrindo sempre

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisa

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2012

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031




Arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D