Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O CINÉFILO

por Kok, em 26.10.11

 

Já é tarde. Ainda não é madrugada mas as duas horas da manhã já se foram à muito. Lá fora o frio é maior que o escuro da noite onde nem a lua se atreve a mostrar-se. E o vento, sacana, não se ouve. Sente-se, porém, no ténue tremelicar das folhas das árvores. Olho o copo, vazio de cerveja, mas sem vontade de me levantar para ir buscar outra. Só de pensar que tenho que atravessar meia casa até à cozinha, abrir o frigorífico e voltar a fechá-lo, procurar o abridor de garrafas, abrir a cerveja e voltar a percorrer meia casa, tira-me toda a vontade de beber mais uma cerveja. Não por estar inválido ou tolhido por qualquer enfermidade. Nada disso. Estou mesmo é com uma dislexia danada (nome fino que dou à preguiça), que me subjuga o cérebro e, consequentemente, me imobiliza. Não fora isso já teria ido fechar a porta do carro e teria trazido a bagagem para dentro de casa. Tudo resultado da malfadada viagem que fui forçado a fazer bem contra a minha vontade, pois estava bem melhor no hotel da zona turística, com praia privativa, ginásio e jacuzzi do que neste ermo onde nem as cabras vêm tosar a erva. Olho as paredes do quarto, pintadas de branco e sem qualquer adereço pendurado, imaginando que são telas de cinema por onde passam filmes que já vi e consigo até imaginar outros filmes que nunca vi. Sempre fui assim. Imagino coisas e ao mesmo tempo vejo-as. Sempre que o afirmava publicamente olhavam-me num misto de espanto e de incredulidade, e gritavam-me: o gajo é maluco! Passei a guardar só para mim a minha imaginação e as minhas visões. Visões é um termo forte demais para o que quero dizer, mas à falta de melhor…! E a verdade é que até mesmo no escuro vejo essas minhas imaginações. Às vezes, tal como hoje, é bom pois acompanhando-me não deixam que as horas passem tão lentamente. Só não gosto é de filmes de terror, em especial depois de anoitecer. Começo a ficar nervoso, angustiado e por mais de uma vez grito desalmadamente e acabo por não ver o resto do filme. Dos que eu gosto mesmo são dos musicais e aqueles de aventuras em que parece que vai tudo correr mal e no fim só corre mal para os maus. Os musicais são os mais difíceis porque requerem muita imaginação para as canções e eu aí tenho mais dificuldades. Quando estou com disposição também imagino filmes de bailados com acompanhamento de musicas conhecidas, (adoro as do Mozart), e então vejo as bailarinas e os bailarinos como que voando pelos palcos, em pontas, e com aquelas elevações graciosas, parecendo serem tão leves, tão leves… De filmes cómicos também gosto, e rio-me alarvemente sempre que os vejo. E o que eu adoro os de desenhos animados? Isso é que eu gosto! Mas não posso vê-los porque não consigo imaginar os desenhos dos bonecos. Já tentei, isso já. Mas como nunca tive  jeitinho nenhum para o desenho…, é por isso que não dá. Mas, continuando, o vento já sopra com mais força fazendo abanar algumas portas e janelas. De súbito oiço o estrondo da porta do carro a fechar-se e pela janela do quarto vi um clarão. Rezo para que não seja uma trovoada. De repente: PUM-CATRAPUM-PUM-PUM! É a trovoada que aí vem, com chuva à mistura e puxada a vento. Que chatice, penso eu. Lá tenho que ir buscar a bagagem senão molha-se toda. Levantei-me a custo, vesti o roupão e lá fui corredor fora até à porta. Quase a ela chegando eis que se abre de rompão e estrondosamente, empurrada pelo vento que quase me derruba. O gato preto entra esbaforido e bufando assanhado,  tropeça nas minhas pernas quase me fazendo cair. Nas minhas costas ouve-se o barulho de uma jarra de loiça a quebrar-se ao cair no chão da cozinha. Senti um arrepio! Chegado à porta olhei para fora e junto ao carro não estava nenhuma bagagem. De súbito um novo relâmpago que iluminou tudo em volta e de dentro do carro soou uma gargalhada ao mesmo tempo que o trovão ribombou. A porta do carro abriu-se. Eu não quis ver mais nada. Corri para o quarto enquanto ouvia atrás de mim o som dos passos pesados de quem me perseguia e foi quando…

Enervadíssimo e angustiado acendi a luz.

Catano pah!, nunca consigo "ver" um filme destes até ao fim!

ilustração copiada de: http://www.filmbug.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:11


10 comentários

De maria a 26.10.2011 às 12:02

hehehe e ainda bem que não consegues ver até ao fim...até já eu estava com medo dos passos que te perseguiam...quem seria? E o que queria fazer?

Como sempre, muito bem escrito :)

Apesar de dizeres que estes contos não têm nada a ver contigo, excepto na imaginação, quase que conseguimos ver-te lá...

Gostei muito :)

Beijinho :)

De Kok a 26.10.2011 às 15:44

Até eu me arrepio quando leio o final do texto. Decididamente tenho que consultar um psico para me tratar!

Gostaste? Então qualquer dia vou-te contar outro ainda mais arrepiante. Só não sei é se antes de o terminar desato a fugir com medo...
Como sabes os fracos (chamemos-lhes assim), têm destas coisas; são imprevisíveis!

Beijinho!!!

De DyDa/Flordeliz a 03.11.2011 às 10:59

Já aqui estive e também já tinha lido.
Mas estava escuro, era tarde e tive medo de comentar.
Medo de que as portas batem-se...ou outra coisa qualquer ehehheheh
De noite tudo fica como os gatos - pardos!

De Kok a 05.11.2011 às 15:15

Acredito! Pois se até eu me assusto de cada vez que leio o final...

1 beijo

De golimix a 09.12.2011 às 17:58

Entrei... a porta estava aberta! Serão meus os passos que te perseguem?
Juro que não parti a jarra! ;)

Gostei da história :)
Odeio filmes de terror! Mas gostei do teu.
Bom fim de semana

De Kok a 09.12.2011 às 21:47

Olá! É a vantagem das portas abertas; tanto dão para sair como para entrar.
Foi o teu caso. E ainda bem que entraste, ainda que nesta "noite de vento e de chuva" que inventei e que até a mim me assustou!

Beijos e sorrisos num dia de

De joaopauloinquiridor a 28.04.2012 às 08:41

Caro confrade José!
Apreciei sobremaneira se conto que nos possibilita incontáveis viéses!!!
Caloroso abraço! Saudações cinéfilas!
Até breve...
João Paulo de Oliveira
Diadema-SP

De joaopauloinquiridor a 28.04.2012 às 08:43

onde se lê "se" leia-se "seu".

De Chic'Ana a 12.12.2016 às 15:41

Adorei, não conhecia este cantinho aqui, e sim, assustador! =)

De Kok a 12.12.2016 às 21:22

Ou seja a minha imaginação basta para me assustar!ImageImage

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisa

Pesquisar no Blog  

calendário

Outubro 2011

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031




Arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D