Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O ENGATE

por Kok, em 10.12.12

 

O final do dia chegou calmo e sem pressas, afinal igual a tantos outros já passados.

Do sol somente as poucas nuvens ainda reflectiam os tons alaranjados dos seus raios, restos de um dia que fora muito quente obrigando cada um a refugiar-se sob o toldo de uma esplanada ao mesmo tempo que ingeria algumas cervejas para afogar uma sede quase infinita. Aparentemente indiferentes ao calor, turistas acabados de chegar passeavam-se pelas tuas.

Ao redor do lago onde nadavam patos e cisnes (também eles patos), descansavam uns e outras, deitados na relva, adormecidos alguns mas abraçados muitos outros, estes  trocando afagos e carícias escondidas das vistas mas não das mãos que, tacteando  percorriam íntimos recantos conhecidos e reconhecidos de outras tardes ou de outras noites!

Foi num dia assim que a vi pela primeira vez, quando caminhava pela margem do rio depois de ter sido expulso violentamente do restaurante onde me recusara a pagar o almoço, por não ter dinheiro. Claro que sabia antecipadamente estar sujeito a que tal me acontecesse, mas o que fazer quando chega a hora da fome chegar e não ter um cêntimo no bolso? É verdade que podia ter pedido unicamente uma sopinha, uma sandes e um cafezito; mas quando pelo mesmo preço podia comer um cozido à portuguesa regado com um óptimo vinho tinto maduro e terminar com um café e um whisky velho, depois de um excelente leite-creme como sobremesa… a opção não deixa dúvidas.

É verdade que me arremessaram uma cadeira que foi acertar na vitrina dos pudins e das tardes, e que ainda me tentaram agarrar ao mesmo tempo que gritavam pela polícia.

Mas qual quê! Larguei-me rua abaixo em forte correria, virei à esquerda para a travessa da linha do comboio, saltei a vedação e passei-me para o outro lado das linhas.

Reduzi a marcha forçada para uma toada calma e descontraída (porque não é de todo aconselhável fazer esforços durante a digestão), sem deixar de estar alerta não fosse algum “gosma” mais dedicado me estar perseguindo. Nada! Tudo na paz dos anjos…

Afinal a coisa não correu mal…

Foi então que a vi pela primeira vez: caminhava à minha frente balançando os cabelos soltos ao vento, bamboleando as ancas num ondular suave e sensual, chamativo e sem dívida bastante apelativo, dentro de uns calções curtos; uma t-shirt azul envolvia-lhe o tronco.

Caminhei até ficar ao seu lado. A alça da sacola de pele que levava ao ombro passava  entre as duas mamas fazendo-as realçar sob a t-shirt escura, quer em volume, quer em tamanho; não que precisasse pois “falavam” por si mesmas, balançando ligeiramente libertas da prisão de um inexistente soutien, deixando perceber os mamilos que a t-shirt tapava mas não escondia.

A coisa estava a ficar melhor…

Olhou-me, entre curiosa e desconfiada!

-Olá!, disse-lhe sem grande convicção.

-Olá, respondeu-me num misto de surpresa e de desconfiança.

Caminhámos a par durante dois ou três metros, cada um de nós imaginando a melhor maneira de continuar a conversa, ela na expectativa de me “despachar” e eu na tentativa de a cativar.

Avancei: -Chamo-me Paulo Gil; e tu?

-Isabel…

Fazes o quê?, de onde és?, onde moras? Tens uns ténis muito fixes!, a conversa de que normalmente é o caminho para outras conversas, como por exemplo:

-Não estás com sede? Eu até te pagava uma cervejinha mas estou teso…

Fez-se desentendida e continuámos caminhando, falando, dizendo e desdizendo, acertando menos do que errando, quando subitamente ela me diz:

-Não te lembras de mim, pois não?

-Bem… como é que eu me podia ter esquecido duma gaja destas?, a…, pois não me lembro…

-Tu chamas-te José da Silva Marques! Mais conhecido por Zézé dos Engates.

-Mau…

-Pois é, isso de quereres ser Paulo Gil é para engate, não é? Diz lá…

-Mas conheces-me d’ádonde?

-Da esquadra, desde aquela madrugada em que a miúda italiana apresentou queixa por tentativa de violação. Lembras-te?

-Violação? Atão távamos na discoteca todos agarradinhos e ela disse-me:

-Voglo una focaccia

-E tu…

-…e eu avancei…

-…sem saberes que ela se referia a uma fatia de bolo, ou pão ou lá o que é!

-Mas como é que sabes isso tudo? Tu és polícia?

-Sou; fui eu que te interroguei e tratei da ocorrência.

-Eras a agente má… quero dizer boa, quero dizer a agente que… as minhas costas…

-Exactamente. E nunca me esqueço de uma cara, sobretudo de gajos como tu! Ainda te dóiem as costas? (Ahahahah)

A coisa afinal estava a ficar pior…

-Mas eu…

-Vai-te lá embora antes que eu me arrependa. Tenho a certeza que hoje já fizeste alguma coisa que justifique a tua detenção.

-Oh Srª , eu…

-Andor, andor…

Pirei-me já a pensar ter que engatar um esquema para o jantar!

Bolas, com tantas gajas aqui à volta tinha que tropeçar com a bófia!?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:58


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisa

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2012

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031




Arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D