Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A CASA À BEIRA DA ESTRADA

por Kok, em 31.03.10

Sempre que passava naquela estrada, estreita, por entre as árvores que, espaçadas, pareciam nascer das searas de trigo e de milho nos campos a perder de vista, aquela casa prendia-me o olhar. Porquê não sei. Talvez por ser a única existente naquele lugar.

Não era muito diferente de outras que já vira, nem era especialmente bonita. E no entanto em cada viagem ficava ansioso durante  o caminho até por ela passar; e vê-la perder-se na distância deixava-me ligeiramente angustiado. Será que voltarei a passar por aqui? Será que a voltarei a ver?

A primeira vez que a vi era eu miúdo. Ia sentado no banco traseiro do VW Carocha. Os meus olhos mal chegavam à janela do carro. Ainda assim, vi-a! Caiada de branco, flores à frente por baixo da janela e os dois degraus que davam acesso à porta de entrada. Claro que nessa primeira vez só vi mesmo a casa. Os pormenores foram-me chegando lentamente, juntando-os a cada passagem. A porta é castanha tal como as portadas das janelas que nunca vi abertas. Nem as janelas nem a porta. Tem uma chaminé alta e o vermelho das telhas “comido” pelo sol deixa-as numa tonalidade indefinida entre o rosa e o laranja. Não sei o que existe nas traseiras da casa, se algo mais para além dos campos cultivados. Não sei se existem galinhas ou outros animais. Nunca parei para ver. Nalgumas vezes vi um velhote à porta, sentado num dos degraus; o mais alto. Tinha os cotovelos apoiados nos joelhos e descansava a cabeça com o queixo sobre as mãos cruzadas. O chapéu, velho de muitos sois, caído para a frente escondia-lhe quase totalmente o rosto. Lembro-me que estava fumando. Encostado à parede descansava um cajado. Não resisti e acenei-lhe, num gesto misto de olá/adeus. Não sei se me viu. Noutras vezes uma menina com um vestido branco decorado com desenhos coloridos estava junto das flores debaixo da janela. Acenei-lhe. Acenou-me. Continuei a vê-la insistindo naquele gesto de despedida até que a curva da estrada as escondeu. A menina e a casa. Em todas as viagens continuei a ver a casa. E continuei a querer ver a menina, de cabelos loiros. E continuei a acenar-lhe correspondendo ao seu acenar. Foram mais as vezes que não a vi. E por isso, de cada vez que a via, era uma alegria. Porque só tinha possibilidade de as ver, a menina e a casa, duas ou três vezes por ano. Fui vendo a menina crescer e a substituir os vestidos com desenhos por jeans e tops. E o velhote cada vez mais curvado e o chapéu escondendo-lhe o rosto cada vez mais. Não sei quando deixei de o ver. O cajado nunca mais esteve encostado à parede junto da porta. Já faz tempo que deixei de ver a menina dos cabelos loiros. Depois notei que as flores à frente por baixo da janela eram cada vez menos. E menos. E menos. Até que secaram, mortas de sede. Numa das vezes que por lá passei a chaminé tinha ruído abrindo um enorme rombo no telhado de onde um grande número de telhas já tinha desaparecido. Já vi a porta aberta. E as portadas das janelas também. Percebi que a casa estava morrendo aos poucos. Sem a família que lhe dava vida e sozinha onde nada mais existia, desistia de se manter erguida. Senti que ruía lentamente, todos os dias sempre mais um pouco, até que nada restasse de pé.

Porque agora, mesmo para iniciar as férias estão todos com pressa de chegar deixei de por lá passar desde que foi construída a auto-estrada. Continuo a lembrar-me da casa e do velhote e da menina dos cabelos loiros, de cada vez que viajo para sul. Quis voltar a vê-la mais uma vez. Uma última vez. E apesar dos protestos não fui pela auto-estrada. Fui pela velha estrada, estreita, mas não a encontrei. Já não seguia por entre as árvores. Porque já não haviam árvores. Já não era a estrada estreita porque tinha sido alargada. E tão alargada foi que a enterraram. Já não existia a casa à beira da estrada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:05

DIA DO (MEU) PAI

por Kok, em 19.03.10

Deitado na areia húmida da beira-mar olhava as estrelas que, no negrume da noite sem nuvens, cintilavam no céu tecto desta minha “cama” de hoje.

O mar em maré vazante e sem ondas, esbatia-se adormecido na areia em suaves e quase inexistentes ondas. Em redor tudo calmo.
Junto de mim e meio adormecido, o cão vadio que por toda a tarde me acompanhou sem que eu o tivesse chamado ou aliciado. Deve ter decidido que à falta de melhor eu seria uma boa hipótese para conseguir uma refeição. Puro engano…
O luar proporcionava à praia uma luminosidade suave e etérea. Ouviam-se os  sons abafados das vozes, dos murmúrios e dos gemidos dos casais que junto das rochas e escondidos da lua, se envolviam em beijos, carícias e afagos, promessas de amor e outras, coisas que durante o dia não tinham o mesmo “sabor” nem a mesma densidade de sentimentos.
Não me apetecia levantar; não queria ir-me embora; tinha vontade de ali continuar deitado e olhando as estrelas.
Raios! Porque tenho que ir? Porque tenho que voltar a casa?
Porque tenho que voltar a viver tudo outra vez?
Não foi suficiente ter passado por tudo uma vez, e outra, e outra? Tenho mesmo que reviver todo aquele desfiar de sofrimentos, de ais e de lamentos? De dores e de tormentos?
Tenho mesmo?
Raios partam isto.
Porque não era nada do que eu idealizei. Nada do que eu pensei há muitos anos atrás quando te vi pela primeira vez…
Ah, é verdade, eu nunca “te vi”!
Pelo menos eu não me lembro. Mas não admira pois eu só tinha dois anos quando tu morreste e a minha memória não vai tão longe.
Porque a verdade, pai, é que mesmo “nunca te tendo visto” sinto a tua falta. E tenho saudades tuas. Saudades que não morrem nem consigo matá-las. Lamentos que sinto e me perseguem diariamente como se lá tivesse estado naquele dia, naquela noite, quando tu me deixaste.
Incrivelmente e mesmo passados todos estes anos, que já são muitos, não consigo voltar àquele casa sem que todos estes e demais sentimentos me assolem. Bem tento “ausentar-me” e não me deixar arrastar pela emoção e pelas “recordações do que não vivi”. Mas não consigo.
E agora não sei como fazer. Nem sou capaz de decidir abandonar a casa nem sou capaz de lá voltar.
Vais ter que me ajudar, pai!
Não sei como, mas vais ter que me ajudar…

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:17

AMAR ASSIM...

por Kok, em 01.03.10

Amar assim,

Intensamente,

É um arrebatamento.

Pode até ser um tormento,

Ser maior que uma paixão.

Pode ser uma eternidade

Mas pode ser um só momento.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:21


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisa

Pesquisar no Blog  

calendário

Março 2010

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031




Arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D